terça-feira, 21 de agosto de 2012

Litoral paulista de fio a pavio - Cicloviajando V

Da Praia de Boiçucanga, São Sebastião a Ubatuba, com parada e pouso em Ilhabela-SP.

Uma nova etapa...



O dia amanheceu mais claro em Boiçucanga. Até parecia que o sol predominaria. Chovera bastante no dia anterior. Não era bem uma chuva, mas uma garoa chata, que ora ficava fraca, ora ficava forte.

Tratei logo de desmontar tudo para pegar a estrada novamente. Não tinha pressa, pois seriam pouco mais de 40 Km até Ilhabela, onde eu faria um novo pernoite. Contudo, de BR - 101 esse seria o trecho mais duro. Enormes Paredões me esperavam, dentre os quais, a Serra de Maresias, que começa assim que a gente sai de Boiçucanga. Nem dá tempo de respirar e lá está ela, a baita serrona, que maltrata os cicloturistas.

Olha só a plaquinha!


Acertei minhas contas, dois dias no Camping e saí pedalando. Nessas alturas o sol já havia desaparecido, dando lugar a uma névoa, quase garoa.
Lógico que nem me atrevi a pedalar serra acima: empurrei. Mesmo quando estou empurrando, quando sinto os ouvidos latejarem, tum, tum, tum, paro e descanso. Quero fazer cicloturismo e não enfartar! Com 62 anos vividos e pressão alta, todo cuidado é pouco!


Depois de empurrar por uns 5 Km serra acima, 
cheguei na placa da felicidade!



Nem deu para voar baixo, pois estava muita neblina na serra.



Praia de Maresias - São Sebastião - SP.




Muita neblina e alguns trechos que predominava a garoa fina. Cheguei a me perguntar se esse tempo predominaria até Ilhabela.








Até que enfim! A partir de Toque-Toque Grande o tempo começou a limpar e o sol apareceu. 



Cachoeira em Toque-Toque Grande.




Nos pontos mais altos da estrada ainda se via ao longe a neblina tomando conta das praias desertas.





Um retão. Coisa rara nesse trecho da BR - 101.



Opa, falta pouco...



Toca do Buraco do Bicho.




Adivinha o que eu fiz aqui? Parei, respirei fundo, tomei uma água geladinha, descansei e só então segui viagem.



 Olha só o visual.


Quando cheguei ao topo de mais uma serra e vi um sujeito ao lado de uma bike, comendo numa vasilha de plástico, já sabia tratar-se de um cicloviajante. Parei para bater papo. Esse é o Renato. Com sua bike simples, monomarcha, uma sacola contendo alguns poucos pertences, ele pretende chegar ao Rio Grande do Sul. Disse que veio do Nordeste de bike! Deus o abençoe e lhe dê forças para realizar o seu propósito!

Renato e sua bike simples.



O navio ao longe indica o Porto de São Sebastião, por onde haverei de passar em breve



Quase chegando ao centro de São Sebastião - SP.


Cheguei em São Sebastião e fui direto para o porto pegar a Balsa para Ilhabela. Queria chegar ao Camping Palmar, tomar um belo banho, almoçar e descansar um pouco.

Na Balsa em direção a Ilhabela.







Sujeito sério! Acho que foram as serras que o deixaram assim!



Cansado e sem ânimo para montar barraca, negociei a minha estadia no Trailer, onde eu já ficara outras vezes. Como eu precisava acertar o câmbio dianteiro de uma vez por todas e também tinha que acertar uns detalhes financeiros na Caixa Econômica Federal, fechei o Trailer por 3 dias. Assim daria tempo de resolver tudo o que eu precisava.
Nessa cicloviagem uma das coisas que eu aboli foi o parâmetro tempo para isso, tempo para aquilo, etc. Quando eu estava trabalhando tinha que me ater rigorosamente ao tempo, pois precisava retornar para trabalhar na segunda-feira. Agora, no ócio da terceira idade, não quero mais saber de tempo para isso ou para aquilo. Quero pedalar e se achar que devo ficar X dias em determinado lugar, fico.

O Trailer, minha casa por três dias.



 O Camping sempre muito bem conservado e limpo.




Fruta pão.



Bananas.



Não importa a estação do ano, sempre tem flores aqui.





Que belo mar! 



A Mentika só quer sombra e água fresca!


Os Biguás.



Ô, calmaria! Dá até sono!



O pico ao fundo chega a parecer um vulcão.




Ilhabela a noite, vista do cais. 



Ô, vida dura! Só esperando o fogão terminar o meu jantar.



Que tal? Arroz branco cozido na hora, linguiça frita e salada. Esta salada foi cortezia da Marrini.



Ah, vocês não conhecem a Marrini, né? Pois bem, aí estão a Marrini e o Douglas, mochileiros e aventureiros que tive o prazer de conhecer no Camping Palmar. Batemos muito papo e até provei um peixe que eles assaram na brasa. Estava simplesmente divino!



Na segunda feira estava chovendo, mas mesmo assim peguei um ônibus e fui á Vila para resolver problemas financeiros. Aproveitei para tirar umas fotos, mesmo com chuva.




A Ilha está toda em obras. Quem for para lá na temporada vai encontrar ciclovias novas, ruas com calçamento novo etc.




Mesmo com chuva o mar não estava nervoso.



Olha o Antigão aí, posando para a foto na Vila.



Aproveitei e levei a bike na bicicletaria do Dida, que eu já conheço, e pedi para ele regular o câmbio dianteiro. Ele resolveu o problema em menos de um minuto, pois segundo ele o cabo estava preso de maneira errada. Depois disso, durante todo o restante da viagem não tive mais problemas com o câmbio dianteiro. Profissional é outra coisa!

Bom, chegou o dia de ir embora. Preparei tudo, subi na bike e saí pedalando em direção ao embarque da Balsa para São Sebastião. A próxima parada seria em Ubatuba, última parada do Estado de São Paulo, depois só no Rio de Janeiro.

Voltando na balsa.



Ciclovia em São Sebastião - SP.




Aí sim! Aliás, São Sebastião também está com 
muitas ciclovias novas. Parabéns!






E lá vamos nós! Mais 68 Km para o centro de Ubatuba, mas como vou passar uns 12 Km do centro... perna pra que te quero!!!



A estrada corre ao lado do mar exuberante.


Em Caraguatatuba saí da BR - 101 e fui pedalar na ciclovia, ao longo das praias.

 Ciclovia em Caraguatatuba - SP.




Parei neste quiosque em Caraguá para tomar um lanche caprichado. A fome havia batido com muita força. O dono e seu filho ficaram admirados ao conhecer o meu itinerário. Ao final, me presentearam com duas garrafas de água geladinha. Muito obrigado amigos!





As belas praias de Caraguá.






Eu sou quem agradece!



Mas que gansada, hein!



O barco que corta o rio.



Estes pilares sustentaram a primeira fábrica de vidro do Brasil. Atualmente ficam em um Condomínio fechado, em Ubatuba-SP.




Ruínas da antiga fazenda de Lagoinha. Um lugar paradisíaco!




Até o centro de Ubatuba a paisagem é de encher os ólhos! 
Muito lindo!






A Estátua do Pescador, em Ubatuba. Opa, cai a tarde, mas estou chegando!



Já era noite quando cheguei ao Camping Usina Velha. Queria ficar num chalé, mas quando o administrador falou em R$ 100,00 o pernoite fiquei gelado! Dei uma chorada e ele resolveu ligar para a proprietária do Camping. Ela retornou a ligação permitindo que ele fizesse R$ 50,00 o meu pernoite. Oba, assim dá pé!
Montar barraca á noite é chato, principalmente quando a gente está cansado, louco para tomar um banho e jantar.



Tomei um belo banho e fui comer pizza nas proximidades. Voltei logo, pois queria dormir cedo e descansar bastante para o dia seguinte. 
O dia seguinte seria o dia de mudar de Estado, passando de São Paulo para o Rio de Janeiro. Paraty-RJ, com todo o seu charme me aguardava.
Mas, isso vai ficar para o próximo relato... Paraty, Mambucaba, Angra dos Reis, Ilha Grande... Ô beleza!

Só para dar água na boca:







Referências:

Camping Palmar: 

Camping Usina Velha:

Bicicletaria do Dida:

Abraços do ...


4 comentários:

Gilmar Doistempos disse...

Parabéns Waldson!

Espetacular essa sua aventura ;)

Obrigado por partilhar conosco.

Sou de Praia Grande/SP, uma pena voce ter passado
por aqui, quando ainda não conhecia seu blog :\

[]s Gilmar
gilmar_2t/gilmar.2t

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Olá, Gilmar.

Obrigado pelo comentário. Passei por Praia Grande num dia de garoa forte que mal deu para tirar uma foto ou outra. Mas já conheço PG e sei da simpatia de seus moradores.

Grande abraço.

Joel Rodrigues disse...

Caramba...queria ter a metade da coragem do senhor pra pegar a estrada assim sem rumo....que Deus continue acompanhando o senhor no decorrer dessa aventura....grande abraço...

Elvandro Brito disse...

Parabéns Waldson!
Como foi comentado, obrigado por compartilhar com a gente essas aventuras.
Sou de Pindamonhangaba (interior de SP) e gosto muito do litoral, estou sempre em Ubatuba e Trindade.
Já faz algum tempo que estava com a ideia de ter uma bike, mas todos (familiares e amigos) sempre desanimavam o meu sonho, dizendo que não ia dar certo, por causa da idade (46 anos) e condicionamento físico, depois que li os seus relatos, resolvi ir em frente e comprei uma bike, vou começar aqui por perto e depois vou indo mais longe.
Mais uma vez Parabéns! E que DEUS, te Guarde e proteja nas suas andanças para que possa nos trazer outros relatos. E quem sabe um dia desses possamos nos cruzar pelo litoral!