domingo, 9 de maio de 2010

Aventura na Serra de Itaqueri

Reeditando passeios antigos, aqui vai mais um que aconteceu em maio de 2009. Desculpem as fotos grandes, pois tive que resgatá-las de um site e lá não consegui reduzí-las.
____________________________________________________________________


Como diz o título, essa foi realmente uma aventura. Eu já havia subido a Serra de Itaqueri o ano passado, mas tão logo tirei algumas fotos, retornei sem completar o passeio. Desta vez meu objetivo era completar o passeio por aquelas estradinhas de terra até chegar em São Pedro-SP.
Bom, o grande problema é que eu não conhecia o caminho certinho e a montanha é ENORME! Confused Das indagações que fiz, soube que lá no alto havia uma bifurcação na estrada: Para a direita sairia em Ipeúna e para a esquerda em São Pedro, meu objetivo.
Com base nessas "vastas" informações, lá fui eu em mais essa aventura!

Manhã do dia 05/05, acordei ás 6 horas. Chovera na tarde anterior e noite esteve bem fria. Apostei que sairia um sol caprichado e o meu passeio seria um sucesso. Arrumei todas as coisas, saí pedalando só parando na Padaria para tomar o café da manhã. O relógio marcava 7:20 h quando eu deixei a cidade.
Segui em direção ao Lago, que não é outra coisa senão um parque reformado pela Prefeitura local, destinado á pratica de caminhadas e outros esportes.






Em poucos minutos eu já atingia a zona rural, com suas paisagens peculiares:











Uns dois Kms depois o asfalto foi substituído pela estrada de terra. A estrada consistia de terra batida, cascalho solto, areião e até um pouco de barro.





Um momento triste do passeio. Sobras de produtos tóxicos jogados á beira da estrada, infelizmente...





Logo o som da cidade foi substituído pelo silêncio total, quebrado apenas pelo cantarolar dos pássaros e eventuamente o mugido de uma vaca.
Ao fundo já dá para avistar o meu objetivo...



Aquele Serrão, parecendo a testa de uma tilápia, hehehe.



Encontrei uma fazenda de criação de avestruzes. Infelizmente, embora a porteira estivesse aberta, não me atrevi a adentrar sem antes estar autorizado a fazê-lo. Limitei-me a fotografar a placa de entrada...



As paisagens se sucedem e eu sigo feliz pedalando naquela estradinha deserta e silenciosa...







Mais paisagens...





Às 8:37 h, com apenas 9 Km pedalados cheguei ao pé da serra. Agora o bicho ia pegar! LOL



Comecei a subir. Alguns trechos dá para pedalar na Mega-Range numa boa, outros só mesmo empurrando a bike, mas as paisagens começam a mudar. Tudo começa a ser "visto do alto":





Uma árvore solitária... á esquerda, dá para ver o serrão.



Um pouco de Zoom...






O último Km para chegar ao topo é ladeado por eucalíptos e o piso é muito escorregadio e íngreme. Não dá para pedalar, só empurrar. Nessas alturas eu já estava molhado de suor.

Ah, cheguei ao topo!!! 9:55 horas, 11,73 Km pedalados. Bom, se pelo asfalto de Charqueada a São Pedro são 17 Kms, por aqui eu deveria ter um pouco mais, presumia eu, talvez uns 25 Km, mais ou menos.


A estrada virou um vermelhão só.




Até o Sombra, meu companheiro inseparável estava lá,
comemorando "On the top".








Olhei para a frente e vi a bifurcação:
Eu
deveria seguir o estradão vermelho, á esquerda.




No meio da cana, já meio perdido, pois não dava para ver nada e a estrada ora fazia curvas á esquerda, ora á direita. Ninguém, absolutamente nenhuma alma vivente para se perguntar: Olá, boa tarde! Como eu faço para chegar em blá, blá, blá. Comecei a ficar preocupado, pois haviam várias estradas secundárias que me confundiam. Confused


Apesar das belas paisagens que insistiam
em aliviar as minhas preocupações....








A cana queimada e colhida...




De repente, cheguei a um trecho onde houve grande colheita recente. Os treminhões circularam por toda a parte confundindo a estradinha principal, tornando-as todas iguais. E agora, por onde seguir naquela imensidão? Cheguei num trecho onde tive que escolher um trecho aleatório e sair pedalando. É... é melhor eu admitir: estou perdido! Dead
Desci uma ribanceira em tobogã e ouvi o ruído de uma cachoeira. Logo vi que estava sobre ela, descobri! Parei para fotografá-la.


(vista de cima) Me apoiei em uma saliência de
pedra e cliquei na máquina fotográfica.






De repente, misturado ao som da água que quebrava lá embaixo ouvi um grito de alô (Ooooouuuuú!) e um Biker passou a milhão, acenou com a mão e subiu o próximo morro pedalando em pé e, infelizmente, desapareceu na curva da estrada!
Gritei para ele, mas ele não me ouviu. Como usava capacete, luvas e roupa de ciclismo, deduzi que ele conhecia a região.
Ah, mas uma coisa ele deixou para trás que iria me ajudar sobremaneira: o rastro de seus pneus cravudos!
Resolvi seguir aqueles rastros inconfundíveis, embora eles ás vezes quase desapareciam em certos trechos da estrada.
De repente um Treminhão apareceu. Acenei para o motorista que parou. Perguntei sobre o caminho para São Pedro e ele me confundiu ainda mais, pois havia várias trilhas. Apenas lembro-me que ele disse para eu seguir o batidão da estrada. Comentou também que havia passado por um ciclista, há uns 10 ou 15 minutos. Agradeci e resolvi continuar seguindo o rastro do Biker que ia a minha frente.




Alameda de eucalíptos...






A imensidão de cana queimada e colhida. Houve muitos trechos como esse.




A estrada agora mais visível, ora vermelha, ora marrom continua serpenteando pela montanha. Continuo seguindo o rastro do Biker.






Um descidão de cascalho em tobogã, passo por um mata burro e avisto muitas vacas em um pasto adiante. Todas olharam para mim, pois os pneus da bike ao roçarem o cascalho emitiam um grande ruído.


Olha só a minha platéia, pensei e parei para fotografá-las.




Em seguida observei que do lado direito, próximo a uma cacimba (lago) e mesmo no meio da estrada haviam muitos bezerros. Parei para fotografá-los...




Quando estou apontando a máquina para os bezerros, ouço um grande tropel atrás de mim e pensei que algum caminhão estava vindo pela estrada. Virei-me e não acreditei no que estava vendo!!! Todas aquelas vacas vinham correndo em minha direção! Shocked
Rapidamente minha mente me disse? "Waldson, corre que esses bezerros são filhos delas e elas querem te pegar!" . Imediatamente joguei a máquina no bolso da camiseta, pulei na bike e saí pedalando e trocando marcha a milhão. Naqueles descidões de cascalho eu não freiei. Eu não sabia o que seria pior: Ser chifrado ou cabeçeado pelas vacas ou me espatifar naquele cascalho e parar num pronto-socorro todo ralado. Dead Fiquei com a segunda opção e só parei quando ultrapassei o mata-burro, saindo da zona do pasto. Nem olhei para trás. Parei para beber água e vi que minhas pernas estavam tremendo. Aí começei a rir do ocorrido. Acho que era o nervosismo que me estimulava a rir.

Ufa!!! Quase! Por pouco! Agradeci a Deus por ter me salvado daquela situação.
Pouco antes eu havia passado por uma granja, onde um senhor me dissera que eu estava a menos de 10 Km do asfalto e que, chegando ao asfalto, bastava virar a esquerda para seguir para São Pedro.


Ah, cheguei ao asfalto, mas... pera aí! O que está escrito naquela placa?
Não acredito!!! Estou em Itirapina!!!




Misericórdia, eu havia pedalado 34,74 Km! Eram 12:05 horas! Quantos Km de Itirapina até São Pedro? Não faço a menor idéia! Confused
A água estava acabando e o sol tava quente, de derreter os miólos!

Mas, vamos lá, pegar a estrada a esquerda e pedalar. Uma hora a gente avista alguém ou chega em algum lugar.
Nem contei quantos Km eu tinha pedalado avistei uma "venda". Que felicidade! Poderia comprar água, comer um lanche e ver quantos Km faltavam até São Pedro.

Parei e fiz esses registros:
O Avestruz no quintal e o violão no interior da "venda".






Na "venda", como é chamada as mercearias em algumas regiões, me abasteci de água, comi um lanche, tomei um refri e fui informado que para São Pedro faltavam uns 20 Km. Fazer o que, tinha que pedalar até São Pedro e depois até Charqueada, mais 18 Km.


No caminho ainda deu para registrar essa bela paisagem...




Ah, cheguei ao Bairro de Santo Antonio, em
São Pedro. Vou
descer a serra, Graças a Deus!





Ainda dei uma parada no Parque do Cristo para umas fotos, mas estava tudo fechado.








Já na cidade de São Pedro, fiz estes registros...






O Portal de saída da cidade...




E lá vamos nós, a caminho de casa...






Quem diria que eu estive lá naquela montanha, ao fundo!
Meio perdido, confesso, mas estive.




Eh, o Sombra tá me avisando que estamos chegando!




Cheguei!!!




São 16:05 horas. 74:30 Km pedalados. Tô cansado. Meu pescoço está doendo de tanto pedalar naquelas costelinhas. Mesmo parado ainda estou trepidando, hehehe. LOL
Ufa, que aventura!
Graças a Deus tudo terminou bem. Nem um pneu furado.
Agradeço ao Papai do Céu por ter enviado aquele biker desconhecido, cujos rastros de pneus me tiraram daquela imensidão verde.

No mais, tô contando a história das vacas até hoje e o povo dá risada!
Foi legal, valeu.
Tchau pessoal, até a próxima!

Um grande cicloabraço do ...


3 comentários:

Daniel Saiani Loureiro disse...

Waldson, parabens... belo passeio!!! já estive nesta cachoeira Saltão, muito bonito o lugar e esta serra até São Pedro é show... já passei de moto por aí... agora quero um dia passar de bike...

abração

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Realmente essa serra é linda! Qualquer dia desses vou de novo para lá, pois agora já sei como sair daquela imensidão verde! Espero não precisar correr de vacas outra vez!
Pegue a bike e vá, você vai adorar!

Abraços!

Mário disse...

Seus relatos dão uma vontade enorme de te imitar... hehehe

Parabéns amigo! =]