domingo, 30 de novembro de 2014

Parque do Carmo - 30 de novembro de 2014.

Olá, pessoal!




Hoje, 30 de novembro de 2014, foi mais um dia de treino. Desta vez escolhi a Nanika, minha bike dobrável, para ser a bike da vez. O treino foi de 30 Km redondos, no Parque do Carmo, localizado na Zona Leste de São Paulo.

Não saí muito cedo de casa, por volta das 7:30 h da manhã. A manhã estava fresca e convidativa para o pedal dominical.
Não levo a bike no carro. Normalmente aos domingos vou pedalando de casa até o Parque, afinal são só 7,5 km.
O trajeto pela manhã até o Parque é calmo, com pouquíssimo trânsito. Vale a pena chegar cedo, pois as famílias ainda não chegaram e dá para a gente treinar mais à vontade. Á medida que as horas vão passando o pessoal vai chegando e fica mais complicado pedalar mais rápido, principalmente por causa das crianças e pessoas que, contrariando as normas de segurança, soltam seus cães, os quais invadem a ciclovia e oferecem grandes riscos aos ciclistas.

Mas, tirando isso, o Parque do Carmo é um lugar excelente para pedalar. Ar puro, canto de pássaros e um ótimo visual fazem do Parque o refúgio ideal para por as ideias e a musculatura em dia.




Hoje ocorreu um fato inusitado: Parei num dos muitos caminhos e vi um esquilo marrom que corria de um lado para o outro, na lateral do caminho. Ele subia e descia das árvores muito rapidamente. Saquei da máquina fotográfica e fiquei a espera de uma pose ideal do sr. esquilo. Todas as vezes que eu disparava a máquina ele corria para outro local. Tentei várias vezes e consegui uma foto.


Satisfeito, guardei a máquina no bolso da bermuda e quando pensei em sair pedalando o esquilo veio em minha direção. Estranhei mas ele não mudou de ideia, continuou vindo em minha direção e, quando eu menos esperava, subiu na minha perna esquerda até o joelho. Surpreso e estático resolvi me mover para pegar a máquina e registrar a cena, mas o bichinho saiu correndo e subiu numa árvore próxima. 
Uma senhora que passava disse para eu levar amendoins, pois eles adoram e virão comer em minha mão. Provavelmente farei isso da próxima vez que eu for ao Parque.






Nossa, 10 horas! O passeio está muito bom, mas tenho que pedalar de volta para casa, pois a feira livre me espera.




Uma coisa ficou provado: A Nanika está uma manteiga para pedalar! O último pedal mais longo que eu fiz com ela foi no encontro das dobráveis, em julho de 2014. De lá para cá nenhuma manutenção. Só o "cabide" no quartinho das bikes, hehehe! Porém, na próxima semana ela será limpa e lubrificada para ficar mais macia do que já está.

Bom, foi um domingo supimpa, graças a Deus! Aos poucos a gente vai voltando à forma e nos preparando para o que Deus nos preparar para 2015 em termos de cicloturismo.

Grande cicloabraço do...



6 comentários:

Mário Trindade disse...

Muito bem, dá para ver como é um lugar aprazível. Lisboa também tem um pulmão dentro da cidade e com esquilos também, chama-se Monsanto.

Fábio Almeida disse...

E aí, meu amigo!? Que beleza mais este passeio de retorno, retomando condicionamento sem sustos! Grande abraço e parabéns!

Gilmar Doistempos disse...

Legal Waldson, lindas imagens.

E' dificil de acreditar que existe um parque tao grande assim em SP.

No horto da ZN tem esquilos, mas sao ariscos, com uma maquina com objetiva da' pra regular o tempo de exposicao, na pratica isso quer dizer que o esquilo fica tao rapido quanto uma minhoca e da' pra fazer fotos mais facilmente.

Com cameras compactas isso nao e' facil. Se sua camera tiver um "M" nos indicadores de modo, e' sinal que voce pode definir "M"anualmente alguns controles dela.

Parece besteira, no comeco so' saem fotos ou pretas ou totalmente brancas, mas depois que voce pegar o jeito, vai tirar proveito disso como na situacao do esquilo cerelepe.

Parabens pelo relato []s :)

Waldson Gutierres disse...

Grande Mário Trindade!

Este Parque é o pulmão da Zona Leste de São Paulo. Uma antiga fazenda transformada em Parque para os paulistanos curtirem à vontade.

Grande cicloabraço deste outro lado do Atlântico!

Waldson Gutierres disse...

Fábio Almeida, amigo e parceiro de pedal, boa tarde!

Aos poucos estou voltando. Houve muitos impedimentos para eu pegar firme, mas agora que a Débora casou e se mudou, as coisas tendem a ficarem mais calmas. No mes que antecedeu o casamento foi um pouco corrido. Ademais as três saídas por semana para a Fátima e eu fazermos fisioterapia tem tomado bastante o nosso tempo.

Se Deus quiser, logo, logo a gente volta para as cicloviagens mais longas. (Não vejo a hora!!!)

Grande cicloabraço!

Waldson Gutierres disse...

Grande Gilmar! Confesso que estava pensando por onde andavas quando recebi o seu comentário. Valeu!

Gosto do Parque do Carmo. É muito bem policiado, tem uma ciclovia razoável, vale a pena conhecer e pedalar por lá. Ao contrário do Parque Ecológico do Tietê, cuja ciclovia não oferece nenhuma segurança.

Quanto á máquina fotográfica, agora que as coisas estão entrando nos eixos financeiros dá para pensar em algo melhor.

Obrigado por nos prestigiar e um grande cicloabraço!