sexta-feira, 19 de julho de 2013

Cateterismo e Angioplastia - Agora vai!

Aqui fora, no calor aconchegante de nossos quartos, contamos carneirinhos para poder dormir. Na noite passada fiquei contando as gotas de soro que corriam para  minha veia. Difícil dormir picadinho, com um monte fios e mangueirinhas transparentes cruzando pelos nossos corpos. E as gotas de soro pingando, uma a uma... 1, 2, 3, 10, 100, 1000! Mas pera aí, deixa eu contar tudo desde o começo:



Cateterismo Cardíaco marcado para às 10:30 horas, do dia 18/07/2013 no Hospital São Paulo, em São Paulo. Na noite de quarta-feira, dia 17, a última refeição à meia noite. Depois jejum total. Água apenas o suficiente para engolir o remédio da pressão alta.



Cheguei ao Hospital por volta das 9:30 horas da manhã, acompanhado de minha filha. Logo um médico avisou a todos os pacientes que houvera um contra-tempo, portanto iriam atrasar um pouco os procedimentos.

Lembro-me de ter sido chamado por volta das 13:30 horas para os preparativos e procedimento. A fome nem tanto, mas a sede deixava a minha boca seca, muito seca. Por várias vezes tive que molhar a boca enquanto aguardava a chamada na sala de espera.
Assim que fui chamado a adrenalina subiu. Dizer que põe o dedo no fogo e não queima é coisa de machista mentiroso. Eu estava mesmo com medo! E se eu estivesse dentro daqueles 0,05% que enfartam ao fazer o procedimento, como dizia o dado estatístico que estava no panfleto que me fora dado dias antes? Oh, Deus, não quero pensar nisso!, comentava eu com meu cérebro que insistia nesse assunto.

Entrei na sala de Hemodinâmica, tirei toda a roupa e pus aquele avental que eu chamo de "Bundefora", fazendo alusão ao personagem do desenho da Vaca e o Frango.


Logo um enfermeiro veio, pegou uma veia do pulso esquerdo e instalou um acesso.

Vamos então Sr. Waldson! Disse uma enfermeira muito gentilmente, convidando-me a ir para a sala de cirurgia. Lá fui eu, pernas trêmulas, mãos suando, pedindo e confiando em Deus que tudo daria certo.

Dores: Dizer que não dói é mentir descaradamente! Dói a agulhada da anestesia local, na virilha, e quando o condutor é enfiado na veia femural. Não é uma grande dor, mas não se trata de um procedimento totalmente indolor, como muitos me disseram, talvez para me animar.
A partir do momento que se deita na mesa é totalmente proibido se mexer. O paciente vira uma estátua.

Logo que o cateter é introduzido também o é o contraste. Senti muita náusea, uma vontade de vomitar tudo aquilo que eu não tinha no estômago. Logo me deram plasil, para passar a náusea. Foi ótimo e eu me senti um pouco melhor, embora a sensação desagradável só termina quando findam os procedimentos.
Enquanto o cateter vai sendo introduzido pela veia femural, no meu caso, um artefato retangular enorme fica passeando prá lá e prá cá diante do tórax do paciente. Houve momento em que quase ele bateu no meu nariz. A enfermeira disse que, neste caso, eu poderia mexer a cabeça para desviar daquele treco.

De tempos em tempos o cirurgião e sua equipe vai perguntando se está tudo bem.

Qual não foi a minha felicidade quando o médico disse, pronto, acabou! Pensei comigo, graças a Deus, já posso ir para mina casa! 
Contudo eis que surge ao meu lado o médico chefe da equipe e diz:

Sr, Waldson, lamento mas uma das suas coronárias está muito entupida, passando apenas um pequeno filamento de sangue para o coração. Normalmente nós fazemos o cateterismo, liberamos o paciente e se houver qualquer problema ele marca um retorno para outros procedimento. Não posso fazê-lo no seu caso, pois o senhor poderá enfartar mesmo antes de chegar em casa, tal é a gravidade. Preciso de sua autorização para fazer uma Angioplastia e terminou perguntando: O Sr. sabe o que é uma Angioplastia?
Respondi afirmativamente, comentando que lera tudo a respeito nos últimos dias. Ele sorriu e disse: Ah, o dr. google, não?!
Autorizei o procedimento e a equipe médica foi falar com minha filha sobre os novos procedimentos a serem realizados.
O médico me avisou que aquele novo procedimento era mais delicado e portanto mais demorado, que eu ficasse calmo, que não iria doer nada e que tivesse paciência. Assim o fiz.



Assim, colocaram um Stent numa de minhas coronárias e o inflaram com um balão. Segundo o médico, não irei mais sentir dores no peito ao praticar atividades físicas, bastando agora me ater fielmente às regras de recuperação e repouso.

Por volta das 16:30 horas eu já estava no leito da enfermaria. Foi-me comunicado que ficaria internado e minha filha que me acompanhava tratou dos procedimentos da internação.
Na mesa de cirurgia o médico me dissera que o condutor ficaria na minha virilha até ás 17:50, quando então seria removido.
Eu estava com fome e com sede quando ocupei o leito 04. A enfermeira disse que eu só poderia comer alguma coisa ou mesmo beber água após a remoção do condutor (um tudo de acesso que serve de entrada para o cateter, tal qual aqueles acessos nas veias, porém com um diâmetro muito maior).

Deu a hora da retirada do condutor e nada! A enfermeira me informou que o médico fora chamado na UTI e que iria demorar. Eu estava ali imóvel e com fome.
Precisamente às 20 horas o médico apareceu para retirar o condutor. Após a retirada daquele instrumento, fez o curativo e me avisou que eu só poderia mexer a perna, sentar ou mesmo levantar o tórax 4 horas depois, isto é, a meia noite!
A enfermeira muito simpática forrou como pôde o meu tórax e pescoço com toalha de papel e eu jantei deitado. Reconheço, não é lá uma posição muito agradável de se jantar, mas para quem comera á meia noite do dia anterior, estava ótimo! Depois do jantar um todynho num canudinho e pronto, agora era esperar dar a hora de poder sentar-se. Meu cóccix estava doendo muito! Ainda bem que o problema com as minhas hérnias cervicais foi contornado mediante um rolo feito com um avental que eu introduzi entre a nuca e as costas. 
Contando gotinhas de soro a horas foram passando lentamente e quando faltavam 15 minutos para a meia noite a enfermeira me avisou para começar a mexer a perna, pois ela iria me liberar em 15 minutos. Óh, que alívio, pode mexer a perna que estava a muitas e muitas horas estática.
Logo pude sentar, ir ao banheiro, tomar uma água sozinho num bebedouro próximo, que delícia! A gente só dá valor a alguma coisa quando se perde a coisa em questão! Sentar naquele momento foi tão bom. 
Havia mais 4 pacientes no quarto. Todos com problemas de arritmia cardíaca ou angioplastados como eu.

Passava da uma hora da manhã quando me deitei para dormir realmente, pois eu poderia dormir de lado.

Acordei ás 5 com a enfermeira me chamando para fazer um eletrocardiograma de rotina. Dormi mais um pouco e logo por volta das 7 o médico apareceu para me dar alta.

Agora estou em casa. Três dias de repouso absoluto e mais 7 de repouso moderado. Medicação rigorosa e retorno com a cardiologista só em 8/8/13. Até lá nada de pedalar, caminhar ou qualquer outro exercício físico. Depois... bom depois pertence a Deus e eu estou nas mãos Dele.

Agradeço a Deus por tudo que Ele tem feio na minha vida e a todos os amigos e amigas que, cada um ao seu modo, têm orado, rezado ou torcido pela minha total recuperação. 

Um grande abraço de coração novo do...


13 comentários:

Robinson Milani disse...

Espero que se recupere logo Waldson.
Adoro ler as aventuras do antigão! :D

Luciano Ramos disse...

Amigo, espero em Deus que vc se recupere rapidamente e possamos voltar a ler seus relatos de pedais maravilhosos. Durante o seu relato, imediatamente me veio a cabeça a nossa ultima cicloviagem e daquele mal estar que vc sentiu no posto de gasolina. Achei que aquilo nao era normal para um ciclista mas hoje fico feliz por mais nada de grave ter axontecido naquela data e nem em nenhuma outra. Fé em Deus e bola paara frente!

Waldson Gutierres disse...

Obrigado Robison, obrigado Luciano. Estamos aqui e agora só aguardando o momento solene de poder pedalar de novo e contar as nossas histórias de aventuras pelas estradas afora.
Acredito que ainda pedalaremos muito tempo ainda, se Deus quiser.

Fiquem com Deus e obrigado mais uma vez.

Grande abraço!

3dmar disse...

Waldson,

Desejo que sua recuperação seja rápida e que te deixe ainda mais forte, seus relatos são ótimos uma grande e encorajadora experiência de Vida. Que essa "renovada" no coração te traga muito mais KMs de alegrias

Abraço!

Max Perdigão disse...

Antigão, melhoras aí cara! Com coração novo ninguém vai te segurar :-D.
PS. Seguindo suas dicas estou montando minha magrela. Hj mesmo chegou o quadro! Abraços

Luiz Bettoni disse...

Mestre Waldson,

Que sua recuperação seja tão rápida quanto grande é o carinho que toda comunidade pedalante tem por vossa estimadíssima pessoa!

E, uma advertência: estou seguro que em breve compartilharemos pedais juntos - não ache que essa desculpa vai colar! =)

Melhoras. De coração.
Hábraços!

Adhocbikers2 disse...

Estou na torcida daqui, pedindo à Deus em minhas orações o melhor pra ti.
Abraço Antigão.

Vilson disse...

Boas melhoras Wadson,são os percalços que passamos pela vida,uma prova pra voltarmos melhores,refletirmos melhor cada momento o fazendo melhor do que o anterior.Você é vitorioso por ter feito a angioplastia e sair-se bem quando muitos não conseguem ou desconhecem o mal que possuem.Já fiz duas cirurgias cardíacas de troca de valvulas e uso marca-passo há 16 anos,troquei o 4º há 25 dias,já dei umas pedaladinhas,que meu médico não saiba...rsrs.
Se um dia vier pedalar aqui em SC dê um alô,moro em Blumenau.

Um abraço e que Deus te proteja.


Vilson R. Corrêa

Blog Vilson Ciclista

http://vilson-ciclista.blogspot.com.br/

Rogério disse...

Sr. Waldson,, boa noite!

Festeje a nova vida!!! Com este procedimento, você ganhou muitos e muitos anos de vida.

Tenho um amigo e companheiro de cicloturismo que aos 52 anos, após muita dor no peito, colocou dois stents em maio de 2012. No dia 21 de agosto de 2012, seguindo todas as recomendacoes médicas, iniciamos o caminho francês de Santiago de Compostela. Após 17 dias e mais de 800km, lá estávamos recebendo a Compostela. Agora ele pedala sem sentir dor.

Respeite as orientações médicas e pedale muito.

Um dia vamos nos conhecer e fazer um pedal.

Forte abraço, vida longa e próspera!!!!

Waldson Gutierres disse...

Queridos amigos 3dmar, Max Perdigão, Luiz Bettoni, Adhocbikers2, Vilson e Rogério.
Agradeço-lhes de coração as palavras de incentivo e de fé. Como sempre digo, procurei por amigos e acabei encontrando irmãos.
Graças a Deus estou cada dia melhor, não obstante o frio tenha judiado um pouco, pois trouxe de volta a tosse que incomoda o corpo todo.
Se Deus quiser, só mais alguns dias, e poderei voltar aos pedais e ás cicloviagens que tanto gostamos.

Fiquem com Deus e um grande cicloabraço!

Gilmar Doistempos disse...

Que bom que tudo está bem :)

Aguardamos suas pedaladas.

[]s ;)

Waldson Gutierres disse...

Valeu Gilmar! Ganhei um coração novo, de presente de aniversário!

Hoje, 8º dia estou ótimo; doido para dar uma pedalada, nem seja para encarar a friaca toda, hehehe!

Grande abraço!

Alisson Nogueira disse...

Eu nasci com problema cardiaco e talvez ,caso nao melhore, tenha que fazer CATATERISMO e eu nunca fiz nenhum tipo de cirurgia. Muito obrigado pelas postagens. Me ajudou muito. Não paro de pensar nisso