terça-feira, 23 de novembro de 2010

Pedal e praia: Uma combinação perfeita!

Olás,

Há um bom tempo eu planejava descer a serra de Bertioga, de novo, seguindo no sentido Boracéia / Boiçucanga. Esses locais me atraem. Na semana passada prometi que se minha mãe continuasse melhor de saúde eu desceria a serra.
Convidei meu amigo Luciano Ramos, mas ele não podia me acompanhar.
Sexta-feira, 19/11/2010, cheguei em casa á noitinha e fui ver se a minha mãe estava bem. Graças a Deus ela estava ótima! Assim, sem mais delongas, passei aos preparativos para a descida da Serra. Eu sempre deixo as coisas semi-preparadas de maneiras que apenas me preocupo com a alimentação, pois os produdos são perecíveis e não podem ficar preparados. Rapinho deixei os alforjes instalados na bike. Por volta das 23 horas fui para a cama, pois queria levantar ás 4:30.

Bike preparada para descer a serra. 
 Mal preguei os ólhos e o celular berrou na minha orelha! Eram 4:30 hrs. do sábado! Levantei de um salto, parece até que eu estava com medo de perder o passeio.
Eram 5:39 da madrugada quando tranquei o portão da garagem. Piscas trazeiro e dianteiro ligados, saí ao encontro daquela madrugada fresca e alvissareira.
Como se tratava de feriado, eu já havia ligado na CPTM e constatado que poderia embarcar com a bike, desde as 5 horas da manhã. Assim, me dirigi á Estação do Tatuapé, onde eu embarcaria com destino a Mogi das Cruzes. O trecho de casa até Mogi tem 50 Km, mas é o trecho mais chato, pois a rodovia tem muito trânsito e faz um barulho infernal no acostamento.

Quase 6 horas. Estou pegando a ciclovia para 
chegar á Estação do Trem.


Opa! Tô chegando!


Na estação é sentar e esperar o trenzão.


Epa, lá vem o trenzão! Vamos embarcar no último vagão.


6:10 hrs. Estou embarcando. 
Mais ou menos em uma hora chego em Mogi.



Trem bonitão, né?! É, mas esse só vai até Guaianazes. 
Lá tem baldeação para um "pau véio". 
Não sei porque essa discriminação, mas... deixa prá lá.


Olha só o que me espera do lado de fora...


Que felicidade!!!


Fiz a devida baldeação em Guainazes e uma horinha depois de embarcar eu já estava descendo na Estação de Mogi das Cruzes.
Por volta das 7:15 da manhã eu já estava pedalando pela silenciosa e deserta cidade de Mogi.


Totalmente descansado, pois eu pedalara apenas uns 10 ou 11 Km até a estação, logo alcancei a Mogi Bertioga, em direção á Serra.


A manhã estava muito gostosa para pedalar, embora prometesse ser um dia muito quente. Mesmo carregado, procurei fazer uma média um pouco mais puxada para aproveitar o frescor que ainda fazia aquela hora da manhã. Esta foto é de praxe para todos os cicloturistas que passam por aqui.


Entradinha na vicinal para ouvir os 
pássaros canoros e... deixa prá lá.


Telhado Emoticon á beira da estrada.


Um CÉU para ninguém botar defeito!


Aliado ás paisagens e estrada deliciosa para pedalar.



Qual o cicloturista que não fica feliz ao se deparar com essa placa? Embora fosse sábado e feriado, a estrada estava hiper carregada. Parece que todo mundo recebeu a primeira parcela do 13o. salário e resolveu pegar o carro e seguir para a praia! Já imaginou se houvessem caminhões também?




Mas aí, ao ver esta placa o Antigão sorri. Olha eu aqui de novo!!!

Não tirei muitas fotos na serra. Limitei-me a parar só no mirante da cachoeira. Dali para baixo fiz um filme do restante da descida. Filme no final desta matéria.



Opa, chegando no trevo de Bertioga. Daqui pego o acesso á Rio Santos sentido São Sebastião. São mais uns 35 Km até o meu destino.


Neste trecho e um pouco antes dele, tive que ficar esperto, pois como o trânsito estava carregado percebi alguns engraçadinhos saindo para o acostamento. Aliás quase houve uma batida próximo a mim, quando o trânsito parou de repente e um cara vinha em velocidade e teve que frear bruscamente. Foi só o susto e a cantada de pneus. No mais, como a maioria seguiu no sentido de Bertioga, me dei bem.

Riviera de São Lourenço.


Subida de Petrobrás. Daqui dá para ouvir o barulho do mar.. 
que delícia!


Olha lá o Marzão!

Bela praça e o Rio Guaratuba.
Opa, cheguei!!! Agora é montar a "residência", tomar um banho gelado e passear na praia. 
De resto uns bolinhos de Aipim com carne seca, porção de porquinho frito, espetinho de camarão
e outras iguarias. ô vidão!









A casa vista de fora...


E vista de dentro...


Tinha acabado de montar a barraca, dois jovens senhores se dirigiram a mim para saber de onde eu vinha e para onde ia. Ficaram atônitos quando eu disse que vinha de Mogi. Se acreditaram não sei, mas sempre acontece isso quanto viajamos de bike. As pessoas ficam curiosas ao ver a bike carregada e querem saber tudo a nosso respeito. Acho isso muito positivo, pois mostra que é só querer, ter fé, batalhar e o sonho pode se realizar. Não precisa ser jovem nem louco para ser cicloturista.

Bom, a noite está chegando. Vou deixar um pouco para amanhã. São 22 horas, fui á Padaria e mandei um misto quente com coca zero barriga abaixo! A Padaria fechou assim que eu saí. A noite está linda... cálida. Dormi ao som do mar... sinal de bons sonhos!

Um novo dia amanhece... 5:30 horas... A brisa fresca vindo do mar enche a barraca ao abrir o ziper.

Levantei cedo para preparar o café da manhã. Café, Leite e Maxi goiabinha. 

Espiriteira á toda prova!

Depois do café, abastecer as caramanholas de água e pedalar até Boiçucanga, mais 30 Km adiante.


Este trecho tem algumas subidas bem íngremes, portanto como eu não tinha pressa, pedalei bem devagar, fazendo uma média baixa.

Saí bem cedinho, por volta das 7:30 já estava na estrada.

Queria aproveitar o ar fresco da manhã 
para enfrentar as subidas até Boiçucanga.






O Sombra adorou pedalar na areia da praia...


Eu também!


É, tem chão. Mas que tá bão, tá!


Em contraste com a manhã de ontem, pouco ou nenhum movimento na estrada. Quem desceu a Serra com certeza ainda está dormindo (de ressaca!).


Como não fiquei no Camping Ilha do Mel, aproveitei para visitá-lo e conhecer sua estrutura. Gostei. Na próxima vou ficar nele.

Um bangalô confeccionado em barrote, perdido e abandonado no meio do mato. 



Muitas paisagens surgem para compensar as rampas, nas quais pedalo na coroinha descontraídamente.




A Natureza floresce...


E emoldura o mar.


A paisagem é magnífica... me reporta ao princípio da criação: 
"E chamou Deus á porção seca Terra; e ao ajuntamento das águas chamou Mares. E viu Deus que era bom. 
Gn.  1:10"


Mais um subidão íngreme e do alto posso avistar Boiçucanga, meu destino final.

A aconchegante Paia de Boiçucanga.


Dirijo-me ao Escritório / Rodoviária da Litorânea e fico sabendo que ônibus para São Paulo só as 13:30 horas. Olho para o relógio e ainda não são 11 horas.


Subi a Estrada do Cascalho em busca de lembranças da ultima vez que lá estive. Parei numa padaria comi um belo X-salada acompanhado de uma Coca para reforçar o esqueleto. 
Pedalei para lá e para cá, sentei-me numa praça até dar a hora do ônibus. 13:40 horas o ônibus chegou.

O motorista permitiu que eu embarcasse a bike no bagageiro sem  desmontar nada; nem o alforje tirei.

Agora é dormir um bom sono até chegar na Rodoviária do Tietê e pedalar até em casa.





Faltava poucos minutos para ás 17 horas quando cheguei em São Paulo.


Mais 15 Km e estarei dentro de casa.

Av. Celso Garcia no final da tarde de domingo.


Como dizia minha sogra: 
Homem feio volta pelo mesmo caminho que veio!



Mais um ótimo passeio! 
Agradeço a Deus por ter me permitido fazê-lo e compartilhá-lo com vocês.

Referências:
1o. dia:

Km pedalados: 79,07
Velocidade Média: 18,5 Km/h
Velocidade máxima 63,9 Km/h
Tempo de pedal: 4h,15m,58s.

2o. Dia:

Km pedalados: 53,97
Velocidade Média: 13,4 Km/h
Velocidade máxima: 63,9 Km/h
Tempo de pedal: 4h,00m,54s.

Total pedalado: 133,04 Km
Baixas: Nenhuma (só alegria)
Camping R$ 20,00
Passagem de ônibus: R$ 34,23
Passagem de Trem: R$ 2,65
Refeições: Em média R$ 70,00

Mapa do trajeto:

(Clique no mapa para ampliar)


 
Mogi das Cruzes é um municipio da Grande São Paulo, distante aproximadamente 60 Km do centro de SP. É servido por linhas de ônibus intermunicipais e trem suburbano.

Boracéia pertente a dois municípios: Boracéia I perbente a Bertioga-SP e Boracéia II pertence a São Sebastião-SP. O Rio Boracéia divide os municípios de Bertioga e São Sebastião.
Ao longo de suas praias podemos encontrar Campings, Hotéis e Pousadas

8 comentários:

PEDALADAS. disse...

Grande Antigão,

O sorriso de orelha a orelha com certeza foi contagiado pelo clima na beira do mar.
Parabéns pelas fotos e o relato. Continue sempre assim!!!
NOTA 10

Abraços

Marcelo

FabioTux® disse...

Dá-lhe Antigão!

Caramba, Véio...Que maravilha, hein? Eu também viciei em descer pro Litoral pela Mogi/Bertioga, graças à você.
Tô sentindo saudades de lá...
BTW, você ficou naquele Camping "Beira Mar"? Lembro-me que não gostei nem um pouco dos banheiros...o "menos pior" era o feminino. No masculino, nem os pernilongos conseguiam sentir-se confortáveis, hahahaha!

Quem sabe antes do ano acabar eu não desça mais uma vez???

Mais uma vez, parabéns Mestre!

Abração!

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Queridos Marcelo e Fábio,

Obrigado pela visita e comentários de vocês.

Realmente o sorriso foi do coração. Primeiro porque a minha mãe está melhor e essa melhora me proporcionou o passeio. Segundo pelo próprio passeio que realmente foi muito agradável. A Marzão azul faz qualquer um sorrir!

Fábio, fiquei no Camping Beira Mar, embora a estrutura é muito ruím. Ocorre que esse Camping apesar dos pesares fica á beira da praia; dorme-se ouvindo o barulho do mar, ao passo que o Ilha do Mél fica do outro lado da estrada. Como eu só ficaria uma tarde/noite, optei por dormir ouvindo o som das ondas quebrando na praia.

Grandes abraços

Antigão.

elton disse...

de 4:30h à 5:39h para sair, é ritmo de antigão, Antigão!!
belo passeio...
uma sugestão...zinha:
q tal postar/traçar um mapa do gluglo, mostrando o percurso q vc fez?
para nós do interiorrr do Brasil que não conhecemos praia nem cidade grande é um bom motivo para quem sabe planejar algo por essas bandas e também para matar a curiosidade, já que eu sou um dos que gostam de ficar navegando no gluglo

abraçossss pantaneiros

Carlos Bernardo disse...

Amigo Antigão!
Adorei as suas pedaladas e as belas fotos e a bonita maneira que vc relata essa linda viagem.
vc ficou com a energia espiritual renovada. Eu tenho falta duma viagem dessa tipo descontraida, deixar a perguiça de lado.
Um abraço e boas pedaladas.
Carlos Bernardo.

Chaves disse...

É iso ae Waldson....só nas pedaldas litorâneas...hehehe...
Eu por enquanto só estou pedalando nos fins de semana...fechando semestre na faculdade é uma correria só...mas espero nas férias pedalar mais...fora que estou montando uma single speed pra treinos...andei em uma e curti muito esse tipo de bike...

Bikelando disse...

Meu amigo Waldson,
É sempre uma delícia visitar teu blog! A única parte ruim (se é que se pode chamar assim) é que geralmente eu faço isso durante a madrugada, quando estou no trabalho, daí amanhece e eu devo ir pra casa dormir porém a vontade de pedalar que advém da leitura maravilhosa dos teus relatos é maior que o cansaço... agora são 5 da manhã e eu morrendo de vontade de descer a Mogi-Bertioga e enfrentar as "subidinhas" do caminho pra Boiçucanga!

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Elton - Atendendo ao seu pedido, coloquei um mapa do trajeto. Aliás, coloquei até um videozinho meia boca, de parte da descida da serra.
No mais, obrigado pela gentileza da visita.

Carlos, me engana que eu gosto! Você é o sujeito que mais passeia de bike! Tenho lido seus relatos, no seu Blog e sei de suas façanhas cicloturísticas. Agora pedalar tem que ser descontraído mesmo! Eu nmão tenho pressa, sigo pedalando bem suave, sem me preocupar com a vida.
Abraços cicloturisticos.

Chaves, obrigado pela visita! Bike speed é bom para todo mundo, menos para mim. Dna Artrose, minha fiel companheira, detesta uma guidão de speed! Bons treinos e um grande abraço!

Mi, grato pela visita. Sei que agora você está de praias novas! Venha cá pra riba qualquer sábado e me convide para descermos juntos a Mogi-Bertioga. Até Boiçucanga, você bem sabe, tem apenas duas subidinhas bem pesadas, o resto dá para fazer de boa.

Abraços