sábado, 11 de setembro de 2010

Pedalando para Analândia-SP - Parte II

Para acessar a Parte I, clique aqui)


Bom, gente, a noite chegou e com ela a fome, pois eu comi um lanche por volta das 5 da tarde e sabem como é né, quem pedala tem mais fome do que os comuns dos mortais.


Que tal um miojo sabor galinha caipira, acompanhado de uma meia latinha de atum ralado? Eu gosto!

Preparando o jantar.

Depois que o jantar estava pronto me dei conta que esquecera os talheres. Mas um boa casca de árvore e um canivete afiado fazem milagres!


A noite estava muito escura, sem luar e eu estava praticamente sozinho no Camping. Havia uma ou duas barracas armadas meio distantes. Um cão preto como a noite veio me visitar. Não me assustei embora ele tenha surgido de repente no meio do breu noturno. Acendi o farolete e vi que era apenas um cão em busca de sobras de comida.


De madrugada o tempo mudou um pouco. Ventou bastante e caiu a temperatura. De dentro da barraca dava para ouvir o vento forte balançando as ávores. Saí no meio da madrugada para ir ao banheiro e pude assistir á dança fantasmagórica das ávores balançando ao sabor do vento forte. Estava um frio danado!


Anoite passou e o dia amanheceu sorrindo!
Não levantei cedo. Sabia que o trecho de volta era pequeno, portanto me dei ao luxo de levantar quase ás 8 horas!


O dia amanheceu sorrindo...




com belos frutos e belas flores!...




Preparei meu café da manhã, a base de café solúvel, leite em pó e Club Social. Lavei a louça, desmontei a barraca e me preparei para mais um dia de pedal. Agora meu destino seria Charqueada, na casa de parentes onde a patrôa me esperava com o nosso "poisé".


Despedi-me da montanha, agora envolta pelo sol forte da manhã.


Ao seu lado enciumado esta o Morro do Camelo com suas corcovas proeminentes.


Bike pronta, é hora de pegar a estrada.
 
Até a próxima!



A medida que eu ia descendo a estrada, as montanhas iam se distanciando, como num adeus saudoso e tristonho.
 



novas paisagens iam surgindo no horizonte.





Até bezerros fotogênicos!



Antes de chegar á estrada, um momento de lisonja.



Agora a looonga subida em direção a SP-310



Assim que cheguei ao alto da subida percebi que a volta não seria fácil. Na vinda eu fizera uma média de 14,5 Km/h, mas agora o vento estava forte e contra!
Se permanecesse assim não seria fácil, haja vista que de Rio Claro para Charqueada a gente praticamente só sobe.
Mas vamos embora. Estava pesado até para manter a velocidade no plano, minha média ia cair drasticamente!


Que tal chupar uma laranjinha colhida na hora?! É uma boa pedida, não?!



Hum... azedinha!!!



Parece que estou chegando na SP-310 (Washington Luiz). Devido ao vento contra, demorei bastante para chegar aqui, embora tenha pedalado apenas uns 15 Km.



Desta vez nada de Itirapina!



A bela SP-310!



Creio que mais uns 25 Km e chego na saída para Charqueada. O vento contra continua castigando!
 


Passava do meio dia e meu estômago começou a reclamar. Embora eu estivesse tomando isotônico, levando biscoitos, laranjas, barrinhas de cereal, eu queria mesmo um belo PF! Mal acabei de pensar no assunto, um aroma de carne assada começou e entrar pelas minhas narinas. Senti-me com em transe, levado por aquele aroma, como nos desenhos do Pica-pau, e quando menos percebi estava no interior de uma churrascaria, á beira da estrada.


Tô nem aí, vou encher a pança!


Agora só faltava uma boa rede, sob uma árvore para completar! Sentei na sombra, após o lauto almoço e descansei por meia hora, antes de partir novamente para a estrada.
Aquela garrafa de soda, com umas fatias de limão e gelo, estava supimpa! Eliminou de vez qualquer poeira que ainda restava na minha garganta.


Até a Estradeira, cansada, coitada, tirou um
cochilo na sombra do estacionamento.
Afinal, sendo de alumínio ela disse: Ninguém é de ferro, né?!


Bom, a sombra tá muito boa mas está na hora de pegar a estrada novamente.


Assim, logo cheguei a SP-191, Rod. Irineu Penteado. E tome mais vento contra!



Esse trecho até Charqueada me deixou um pouco emocionado. Lembrei que foi nesta estrada que fiz meu primeiro ciclotur (Charqueada - Rio Claro / Rio Claro - Charqueada) em abril de 2008. Comecei a lembrar de cada detalhe daquele ciclotur enquanto pedalava em silêncio. Foi duro conter o nó da garganta!
Lembrei dos campos verdes, agora queimados pela estiagem.


Mesmo assim as paisagens são belas.



Estava distraído, perdido nos saudosos pensamentos, quando o Sombra, sim ele mesmo, deu uma gostosa gargalhada.


Quando o Sombra dá essa risada já sei que vem coisa boa!





Ah, tá ali a placa! A serra do Passa Cinco!
Esqueceram de dizer na placa que é serra abaixo!


Alguns Kms depois... Estou quase chegando em Ipeuna.






Demorei um pouco nesta ponte, pois um Tatu saiu em desabalada carreira quando me viu e eu fiquei admirando o bichinho.


Pena... mas não deu para fotografá-lo.



Cheguei em Ipeuna. Está um pouco tarde, portanto não vou entrar na cidade, mas posso dizer que é uma cidadezinha muito simpática. Da próxima vez eu entro e fotografo.


Agora só faltam 12 Km para Charqueada. A tarde vai se despedindo bem devagar, suavemente.










Já tinha avistado a cidade, peguei um descidão, soltei os freios. Já no final da descida muitas pedras sobre o acostamento. Como eu vinha em velocidade, desviei de uma, desviei de outra e paft! peguei uma em cheio na roda dianteira! Na hora examinei pneu, aro, tudo ok. Mas, assim que cheguei na casa de minha sobrinha o pneu murchou: furou a câmara!


Bom gente, fim do passeio, cheguei em Charqueada, meu destino.
Agora é banho e jantar.






Foi uma passeio maravilhoso, descontraído, sossegado, muito bom mesmo.


A bike com o guidão novo se portou maravilhosamente bem. Dna. Artrose adorou e aprovou totalmente o novo guidão!


Agradeço a Deus por ter me proporcionado mais este passeio e poder compartilhá-lo com todos vocês.


Agradeço também ao amigo e forista Ricardo que se dispos a me acompanhar em parte desta jornada, tornando-a mais agradável e prazerosa.


Agradecimentos ao pessoal do Projeto Pedra Viva pelo bom acolhimento e gentileza no atendimento.
Site do Pedra Viva: http://www.cuscuzeiro.com.br/


Ida:
85 Km pedalados
Média 14,5 Km/h
Volta:
75 Km pedalados
Média 12,5 Km/h


Total pedalado: 160 Km
Camping R$ 20,00
Refeições R$ 30,00


Baixas: 1 pneu furado.


Camping Pedra Viva = Recomendo.
Guidão Trekking = recomendo.


Um grande abraço a todos e muita PAZ celestial!




--------------------------------------------------------------------




Neste passeio, acabei de testar as pastilhas de isotônico da Suum. Já vinha testando esse produto, tanto com algumas pastilhas que o pessoal da Suum me enviou de amostras gratís, quanto de um tubo que eu adquiri junto ao Site da Suum. Devo confessar que o produto é muito bom, tanto para os treinos quanto para o ciclotur propriamente dito. A grande vantagem desse produto é a sua portabilidade. Um tubo pequeno, leve e fácil de transportar, contém 10 pastilhas. Cada pastilha pode ser dissolvida em 500 ml de água.
No Site da Suum há maiores informações sobre o produto e seu conteúdo.







10 comentários:

lulis disse...

Antigão, Antigão! Belo pedal, 100%! Um dia ainda quero ter o privilégio de pedalar com V. Exa. =)

du · o² expedição disse...

Grande Waldson, como sempre arrepiando até os cabelos do pé esquerdo recém operado de tanto tezão em fazer pedais como esses! Se ninguém te disse isso um dia, você é (e o Lulis deve concordar) o que chamamos de um típico Cicloroots, que é Cicloturista de Raíz mesmo! Parabéns!

du · o² expedição disse...

Grande Waldson, como sempre arrepiando até os cabelos do pé esquerdo recém operado de tanto tezão em fazer pedais como esses! Se ninguém te disse isso um dia, você é (e o Lulis deve concordar) o que chamamos de um típico Cicloroots, que é Cicloturista de Raíz mesmo! Parabéns!

Bikelando disse...

Ahh que deixou a gente "na inveja!" Pedal delicioso Waldson e as fotos, como sempre, magníficas!
PS: Adorei a sua cara na foto da churrascaria!! :D

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Grande Lulis, com certeza o privilégio será todo meu! O ano que vem, quem sabe..., chego até a Ilha do Mel e a gente se encontra lá?!

Abraços.

Antigão

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Fala Dú, como sempre gentil e hilário. Obrigado pelos elogios. Quanto ao ciclotur, quanto mais próximo e integrado fico da Natureza mais me sinto feliz. Gosto dos acampamentos, dos fogões improvisados, do café da manhã que eu mesmo faço.
É muito legal.

Grande abraço!

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Oi Mi (bikelando) estou com saudades! Sempre me lembro do pedal para Paraty, onde pude contar com a sua alegre companhia.
Na foto do restaurante eu estava de boca cheia, ahahaha!
Grande beijo e ótimos pedais por esse belo litoral!

Carlos Bernardo disse...

Amigo Antigão!
Gostei do seu pedal, esse guidão é bom para longa distância( aqui se chama guiador)belas paisagens e foi legal ver vc cozinhando a janta.
Um abraço e boas pedaladas gosto de acompanhar as suas pedaladas.

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Olá, Carlos, obrigado pela sua visita!
Eu realmente gosto de cozinhar. Sempre levo alimento nas minhas viagens e, se necessário, faço o meu almoço ou jantar. Eu era campista antes de voltar a pedalar e já fiz muitos "campings selvagens", principalmente no Mato Grosso do Sul, um dos Estados do nosso País.
Quanto ao "guiador", realmente agora eu encontrei o verdadeiro guidão para ciclotur. Não tem igual, é um conforto só.

Grande abraço!

Mari Silva disse...

Oi, seu blog é lindo, obrigada pela visita ao meu e fique à vontade com as imagens de lá! Essa é royal free mesmo, beijos!