segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Vila de Paranapiacaba, Sto. André, SP.

Olás, meus amigos e amigas!

Nestas últimas semanas tenho feito bastante contato com o amigo cicloturista Emerson Lacerda (http://adhocbikers.blogspot.com.br/). Ele será meu companheiro de cicloviagem para Florianópolis, SC daqui há alguns dias. Nessas boas prosas surgiu o convite para pedalarmos juntos até a Vila de Paranapiacaba, no Município de Santo André, em São Paulo. Ora, como eu não sou bobo, aceitei o convite! Assim, o último dia de agosto foi de pedal em uma ótima companhia! Mas, vamos ao relato.


________________________________________________________

31/08/20013 - O celular nem chegou a me despertar. A ansiedade era tamanha que minutos antes eu já estava acordado! 5:45 horas, pulei da cama.
Nós havíamos combinado de nos encontrarmos por volta das 7 horas da manhã, na casa do Emerson, onde tomaríamos o café da manhã juntos. Portanto eu tinha que pedalar uns 5 Km até a residência do amigo.
Passei numa Padaria aqui perto de casa, peguei dois pãezinhos quentinhos e coloquei 100 gr de mortadela em cada um deles. Uma mini garrafinha de guaraná completou o lanche. 
Rapidinho venci os 5 Km que separam as nossas casas e por volta do horário marcado lá estava eu pronto para o café da manhã que a senhora mamãe do Emerson preparara com todo o carinho. Tomamos café, batemos papo e saímos para o pedal. Iríamos por Santo André, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, até chegarmos à Vila.

Assim que chegamos a Av. dos Estados furou o pneu traseiro da minha bike. Estranho que a câmara estava com um pequeno corte. Acho que foi "mordida" na hora de montar.

Cicloturistas de verdade consertam o pneu sorrindo!



Com a ajuda do Emerson em poucos minutos coloquei uma câmara nova e remendamos a velha para guardar de estepe.

Ói nóis na estrada novamente!


Prefeitura Municipal de Mauá, SP.


Um sábado de sol maravilhoso! Rindo e batendo papo logo chegamos a Ribeirão Pires.


Portal de Ribeirão Pires.



Olha a cara de "tristeza" do Emerson!


Demorou mas voltou, hein véio?!




Logo deixamos as cidades para trás e chegamos na Rodovia com acostamento largo e perfeito para cicloviajar. É fato que as tartarugas que cruzam o acostamento a cada, sei lá, 200 metros, incomoda um pouco, mas se removerem os carros acabam trafegando no acostamento! Pior ainda, né?!



Estradão sem fim!



Nossa, eu estava que nem criança em dia de Natal: Super feliz! Sentir o vento no rosto novamente, encher os olhos de verde, respirar um ar puro da Serra do Mar, ouvir os pássaros e estar em ótima companhia era tudo o que eu queria! E ali estava eu... que prazer! Um pouco fora de forma, reconheço, mas o que importa? O Emerson dissera que o ritmo da pedalada seria "o ritmo do último" e estava seguindo à risca, ahahahah! Com metade da minha idade e muito bem preparado fisicamente ele poderia me dar um banho de pedal, mas cicloturista de verdade pedala devagar, curtindo e sentindo a natureza. Paramos muitas vezes, para fotografar, tomar café, tomar água ou simplesmente para descansar um pouco.

E assim, logo chegamos ao trevo onde pegaríamos uma estrada de terra, que beira a linha férrea e iria nos deixar na parte baixa da Vila.

Comentei com o Emerson que, quando eu era menino se alguém me perguntasse o que eu seria quando crescesse eu diria: Maquinista de trem! O Emerson disse que adora trens e que responderia a mesma coisa! Meu finado tio Emílio era operador de telégrafo na Estrada de Ferro Sorocabana, Estação de Mairinque. Eu vivia ali vendo os trens de passageiros e os trens de carga com uma quantidade quase infinita de vagões passarem. Conversava com os maquinistas... era a década de 60, bons tempos!








Um véio, uma bike e um barração surrado pelo tempo. Uma composição perfeita!



A Nanika também estava satisfeita, encarando o asfalto, 
terra e cascalho com a maior naturalidade.


A estrada é muito bonita, com algumas boas subidas e pedras soltas. Eu, como estou retornando agora depois de longa ausência, senti bastante as subidas, mesmo na "vovózinha" (coroa de 39 dentes na Nanika). Cheguei a empurrar a bike subida acima. O Emerson aproveitou uma dessas para pedalar na Nanika e ficou surpreso com a estabilidade da pequenina! Parece que a Soul vai acabar vendendo mais uma!





No caminho o Emerson já meu mostrou umas trilhas para chegar numas cachoeiras. Já estamos combinando de num futuro próximo chegarmos até elas para uma noite de acampamento. Eu amo acampar em meio a Natureza, fazer uma fogueira e passar horas contanto histórias à beira do fogo! E a janta e o café feitos na lenha então!

Paramos num lago de água cristalina para nos refrescarmos um pouco. O sol estava quente, não tórrido, mas estava quente e a poeira da estrada grudava no corpo suado.




Chegamos no Portal da Vila e já saímos disparando nossas objetivas.







Com 43,610 Km pedalados chegamos à Vila. Nem lembro a hora exatamente, mas sabíamos que era hora do almoço, afinal nossos estômagos estavam nos avisando.

Hum... parece que "alguém" está com fome!



Ô coisa boa! Arroz, feijão, salada, legumes, filé de tilápia e filé de frango grelhados. Comemos que nem gente grande! Pedalar é bom, mas dá uma fome!!! A Vila estava cheia de turistas, bikes, motos de trilha e praticantes de Trekking.

Mal acabamos de almoçar uma neblina envolveu a Vila. Dá para notar nas fotos.




Na foto abaixo, a casa do engenheiro inglês, construída no alto para que ele pudesse ver panoramicamente a construção da estrada de ferro. A expressão não nasceu aqui como eu pensava, mas conta-se que foi muito usada pelos trabalhadores da estrada de ferro. O engenheiro inglês aparecia lá no alto e os trabalhadores gritavam uns para os outros: "Vamos trabalhar, só para o inglês ver!" O engenheiro olhava e se recolhia satisfeito.





É, o ciclopasseio está muito bom, mas está na hora de voltar para casa. 
Nós havíamos combinado de pedalar até Rio Grande da Serra e embarcarmos no trem, para fazer parte da viagem de volta. O Emerson desceria na Estação de Utinga e eu na Estação Ipiranga, de onde continuaríamos o pedal para nossas casas. A Estação Ipiranga, embora ficasse um pouco mais distante, me evitaria boas subidas.



E assim encerramos mais um prazeroso pedal.


Desci na Estação Ipiranga e parte do meu retorno foi pela Rua Cavour, onde morei por muitos anos. Fiquei emocionado ao passar por aquela rua que eu conhecia desde os idos de 1959. Revi a Escola no Parque Sevilha, que naquela época era de madeira pintada de azul, onde fiz parte do meu 2º ano primário. Doces lembranças.

Um sábado memorável! Um pedal maravilhoso!


Agradeço a Deus por mais essa oportunidade de curtir a beleza de Sua criação, acompanhado de um grande amigo e parceiro. Agradeço à Sra. mamãe do Emerson pelo lauto e delicioso café da manhã.

67 Km pedalados.
Um pneu furado e só alegria!

Até a próxima e obrigado por todos(as) que prestigiam o nosso Blog!

Um caloroso cicloabraço do...


16 comentários:

Luis Claudio Campos disse...

Parabéns Waldson, seus relatos me dão incentivo para preparar uma cicloviagem...benvindo de volta....abraços e parabens...
Luis

Walescko Chimendes disse...

que show ver de volta a pedalar.
Abraço.

Memórias de uma bicicleta disse...

Fico muito alegre em ler suas histórias e verificar o quanto está recuperado. Continue assim, vc é meu projeto de melhor idade,rsrsrsr.
Abração

Gabriel Rangel disse...

Curti o selo Antigão de qualidade!!!

Cesar Rocha disse...

É isso aí, Antigão! Pedalar. Depois de conhecer você, achei o restinho de coragem que faltava para decidir por minha viagem. Abraço grande.

Adhocbikers2 disse...

Simplesmente fantástico pedalar ao lado do Antigão, foi a primeira de muitas. Cicloabraço e o Sul nos espera!!

joaozinho menininho disse...

Parabéns pela viagem de bike Sr. Waldson. Acessei seu blog hoje e foi uma grata surpresa vê-lo pedalando. Veio aqui pra região de Santo André-SP onde moro... que pena, não foi dessa vez que pedalamos juntos de dobrável.

Cicloabraços
Joãozinho
Santo André-SP

Carlos Alberto DUARTE disse...

Deus é grande|
Parabéns antigão.
Fiquei feliz com sua volta.
Um grande cicloabraço.

Waldson Gutierres disse...

Obrigado, Luiz Carlos! Opa, o que está esperando para montar logo esse projeto de cicloviagem?! Bora pedalar, meu amigo!

Vamos mostrar ao mundo que, apesar dos pesares, ainda dá tempo de consertar alguma coisa!

Fique com Deus!

Abraços.

Waldson Gutierres disse...

Walescko, Memórias de uma bicicleta, Gabriel Rangel, Cesar Rocha, Joãozinho e Carlos Alberto:

Muito obrigado de coração pelas palavras de carinho e incentivo. É como sempre digo: Nesse meio ciclístico, procurei amigos e encontrei irmãos!

Quanto ao selo, ahahahah! É uma cortesia do amigo e cicloturista Lulis do Odois.org.

Grande cicloabraço e fiquem todos na Paz de Deus!

Waldson Gutierres disse...

Adhocbikers2 (Emerson), Pô meu amigo, pedalar ao seu lado torna tudo mais fácil. Obrigado pela excelência da companhia, perfeita em todos os sentidos.

E... daqui uns dias tem mais, se Deus quiser!

Grande e caloroso cicloabraço!

3dmar disse...

Olá Waldson,

É sempre encorajador visitar este Blog. Parabéns pelo retorno ao Pedal \o/

Ivy Castro disse...

Olá Waldson,

que bom que fez essa pedalada já se recuperando para a próxima viagem. Esse caminho que vocês fizeram parece ter lugares lindos, trilhas e tal..bom demais!!!!!
Sair do caos urbano não tem preço!!!!!

Abs.

Waldson Gutierres disse...

Obrigado 3dmar pelo comentário! E obrigado também por prestigiar o nosso Blog.

Grande cicloabraço!

Waldson Gutierres disse...

Olá Ivy Castro, obrigado pela visita ao Blog.
Realmente Paranapiacaba é uma Vila muito legal e interessante. Realmente tem muitas trilhas por lá. A Vila oferece um serviço de trilhas monitoradas que deve ser muito legal. Eu só acho que o Município de Santo André deveria investir mais na conservação desse patrimônio histórico e cultural. Parece que tem muita coisa meio abandonada por lá que merecia uma boa restauração. Mas, isso é mal de brasileiro, todo mundo sabe.

Obrigado por prestigiar o nosso Blog e até meados de outubro, se Deus quiser, teremos o relato do Pedal da Primavera, cujo projeto já está praticamente garantido para sair de Curitiba e chegar até Florianópolis via litorais paranaense e catarinense.

Bjs.

Gilmar Doistempos disse...

Muito bom te ver Waldson recuperado
nesta nova aventura, foi um otimo
percurso o lugar é bonito. É pra ingles
ver xD

Legal o Emerson estar contigo nesse
retorno, esses dois aventureiros
prometem :)

Muito original seu logo de qualidade que
a turma do O2 fez, parabens a voces.

Fiquei muito contente em visitar seu
blog e encontrar voce na boa e velha
forma, parabens e que venham novas
aventuras.

[]s ;)