terça-feira, 12 de março de 2013

Novas impressões sobre a dobrável.


Creio que todos os meus amigos leitores já perceberam que estou apaixonado pela Nanika. Sim, a bicicleta dobrável!

No domingo passado, 10/03/13, estive treinando na ciclovia do Parque do Carmo. Quem conhece o Parque sabe que a ciclovia ali oferece um ótimo treinamento para subidas, pois há subidões danados naquele local. A ciclovia completa tem 6 Km. O percurso que eu faço dá 5 Km, pois evito uma pontezinha de madeira, onde a gente tem que frear muito devido á trepidação.

Durante a semana que antecedeu esse pedal, coloquei uma coroa dupla na Nanika, com coroas de 39 e 52 dentes. Em virtude de ainda não ter o câmbio dianteiro instalado, a corrente ficou na coroa de 39 dentes, de modo que as relações ficaram definidas da seguinte maneira: 

  • Mais leve: 39 X 34
  • Mais pesada: 39 X 14.


Dessa maneira, a bikezinha apresentou um alto desempenho nas subidas, tornando-as muito mais leves e acessíveis. Acredito que será possível vencer as grandes serras das estradas em cicloviagens, mesmo com a bike carregada. Gira-se um pouco mais, mas poupa-se as pernas, principalmente os joelhos.

Na parte plana, ao usar a relação mais pesada (39 X 14) notei que chega-se á 18 Km/h. Para cicloturismo em regiões montanhosas, onde a altimetria nos conduz aos famosos "tobogãs" até que não é mal, mas nas grandes regiões planas litorâneas por exemplo, faz-se necessário o uso da coroa maior, 52 dentes para se atingir uma velocidade média mais aceitável, com menos giros. Para tanto, o uso de um câmbio dianteiro torna-se imprescindível, embora as trocas manuais também podem ser feitas.


Adaptador para o câmbio dianteiro.


Provavelmente em abril, mesmo que eu ainda não tenha instalado o câmbio dianteiro, pretendo fazer uma cicloviagem por estradas com altimetrias mais variáveis, onde o esforço exigido será bem maior. A carga será a mesma que levei na cicloviagem passada para a Praia de Boracéia, em Bertioga-SP, constituída de roupas, alimentos, barraca, colchonete/isolante térmico e saco de dormir. Algo em torno de uns 15 Kg.


Finalmente também instalei um par de bar-hands no guidão, criando com isso uma zona maior de conforto para as mãos, uma vez que possibilitam um maior número de "pegadas" no guidão.

O próximo upgrade além do câmbio dianteiro, foi um novo par de manetes de freio, da famosa marca Shimano.



Por ora essas são as minhas impressões sobre a Nanika. 

No final de março farei uma cicloviagem, mas usarei a Mentika, minha bike quase convencional (MTB com aros 700).

Quem quiser saber mais sobre as mudanças já efetuadas na Nanika (Soul D-60) clique AQUI.

Por ora é só!

Um grande, imenso cicloabraço do ...


Um comentário:

Gilmar Doistempos disse...

Que bom Waldson que já implementou a coroa.

Lembro que voce havia dito que faria isso no
ultimo relato de viagem.

Estou torcendo pra que voce se sinta cada vez
melhor com sua parceira de viagens anã.

[]s